24/05/10

Maio, Trabalho e Luta

Sendo também a poesia "uma arma ", isso ilustra-se neste livro, publicado recentemente. A poesia não é indissociável das emoções e são estas que impulsionam as maiores lutas da humanidade.
A poesia, não raras vezes, "derrubou regimes", insurgindo-se num protesto único, onde o grito e a palavra, imbuídos no coração, despontaram em LUTAS.
Este livro tem o prefácio de José Casanova, que relembra e bem que "a poesia é um instrumento, entre outros para transformar o mundo", por isso "A POESIA RESISTE" !
Entre tantos poemas, optei por abrir o livro aleatoriamente e calhou-me (nos) este poema:

ITINERÁRIO

Os milhares de anos que passaram viram
a nossa escravidão.

NÓS carregámos as pedras das pirâmides,
o chicote estalou,
abriu rios de sangue no nosso dorso.
NÓS empunhámos nas galés dos césares
os abomináveis remos
e o chicote estalou de novo na nossa pele.
A terra que há milhares de anos arroteámos
não é nossa,
e só NÓS a fecundamos!
E quem abriu as artérias? quem rasgou os pés?
Quem sofreu as guerras? quem apodreceu ao abandono?

E quem cerrou os dentes, quem cerrou os dentes
e esperou?

Spartacus voltará: milhões de Spartacus!

os anos que aí vêm hão-de ver
a nossa libertação.

Papiano Carlos

Ao acaso, escolhi um belo poema, bem a propósito das lutas que aí vêm.
Já no dia 29 !

4 comentários:

Fernando Samuel disse...

«Voltarei e serei milhões»: (diz-se que) disse Spártacus...
E lá estaremos no dia 29!

Um beijo.

O Puma disse...

Que viva a poesia

Armando Sena disse...

Oh poesia que cantas o trabalho e a falta dele.
O vil metal e o não o ter.
Lá estarei no dia 29...a trabalhar.

smvasconcelos disse...

Fernando Samuel: eu acho que o vaticínio dele cumprir-se-á! beijo.

Puma: que viva mesmo!:)) beijo,

Armando: " lutando, nem sempre se ganha, mas quem não luta perde sempre". Beijo,