31/05/10

Louvor do Revolucionário



Quando a opressão aumenta
Muitos se desencorajam
Mas a coragem dele cresce.
Ele organiza a luta
Pelo tostão do salário, pela água do chá
E pelo poder no Estado.
Pergunta à propriedade:
Donde vens tu?
Pergunta às opiniões:
A quem aproveitais?

Onde quer que todos calem
Ali falará ele
E onde reina a opressão e se fala do Destino
Ele nomeará os nomes.

Onde se senta à mesa
Senta-se a insatisfação à mesa
A comida estraga-se
E reconhece-se que o quarto é acanhado.

Pra onde quer que o expulsem, para lá
Vai a revolta, e donde é escorraçado
Fica ainda lá o desassossego.

Bertold Brecht

4 comentários:

Armando Sena disse...

Bertold Brecht tinha a seu favor ser Bávaro. Talvez deslumbrado com a cerveja e a bela da salsicha desatou a teorizar (é famoso também por ser um grande teórico). Como bom poeta deu nisto, um revolucionário.

O Puma disse...

Não basta ter razão

mas é fundamental

ter razão

Fernando Samuel disse...

Brecht sempre actual...

Um beijo.

smvasconcelos disse...

Armando: a poesia pode revolucionar, mesmo!:) Beijo

Puma: Brecht tinha-a... beijo,

Fernando Samuel: cada vez mais! Um beijo,