29/10/09

A tua lembrança

Sinto que a tua lembrança se dissipa
da minha mente, como uma velha estampa;
a tua figura já não tem cabeça
e um braço está desfeito, como nessas
decalcomanias desoladas
que os rapazes fazem na escola
e são depois, no livro esquecido,
uma mancha dispersa.

Quando estreito o teu corpo,
tenho a leve sensação de que está feito de estopa.
Falas-me, e a tua voz vem de tão longe
que mal consigo ouvir-te. Além disso, já não acredito em ti.
(...)

Nicolás Guillen* in Antologia Poética


* Poeta cubano nascido em 1902, representa, como já aqui se referiu, a poesia negra e crioula do seu país, poesia essa que se reveste de um grande humanismo e consciência social, ou não fosse ele um poeta do povo e para o povo! É também autor de inúmeros poemas, denominados de amor.

5 comentários:

O Puma disse...

Bem-vindo

smvasconcelos disse...

-vinda!:)

Fernando Samuel disse...

Guillén é um dos GRANDES...

Um beijo.

Armando disse...

Faz-me lembrar algo da "Sombra do Vento" será?

smvasconcelos disse...

Fernando Samuel: plenamente de acordo. É daqueles que se reincide, reincide...:)

Armando: Já me recomendaram esse livro, e talvez o leia um destes dias... mas este poema não será tão trágico quanto a história de amor e feitiço desse livro.
.)