09/08/10

"Das Pessoas que Atingem Posições Elevadas"

Lia, há minutos, num jornal online, que um encenador "da nossa praça", conhecido pela encarnação da Broadway em Portugal (ironia minha, que não aprecio a referida "imitação") agrediu uma costureira, ao empurrão.
O mesmo encenador colecciona, ao que parece, inúmeras histórias de maus-tratos aos seus colaboradores, quer sejam artistas ou técnicos dos bastidores...
Quando a imprensa o confrontou com a acusação da funcionária agredida (que trabalhava com ele há muitos anos) a sua resposta foi, a meu ver, tão infame e asquerosa (é mesmo assim, sem piedade na adjectivação!) quanto o seu acto, baixo e abjecto.
Ei-la : "... Quanto a isso, não vou perder tempo a falar de uma mera costureira."

Por mais palavras que conheça para coadunar a qualificação que atribuo a semelhante resposta, por decoro e por respeito por quem por cá passa, vou contê-las...
Recorro antes a Withman e ao seu tom corajoso e livre:



Das pessoas que atingem posições elevadas,
cerimónias, riqueza, erudição, e similares:
para mim tudo isso a que chegam tais pessoas
afunda diante delas — a não ser quando acrescenta
um resultado qualquer para seus corpos e almas —
de modo que elas muitas vezes me parecem
desajeitadas e nuas, e para mim
uma está sempre zombando das outras
e a zombar dele mesmo ou dela mesma,
e o cerne da vida de cada qual
(a que se dá o nome de felicidade)
está cheio de pútrido excremento de larvas,
e para mim muitas vezes esses homens e mulheres
passam sem testemunhar as verdades da vida
e andam correndo atrás de coisas falsas,
e para mim são muitas vezes pessoas
que pautam as suas vidas por um hábito
que a elas foi imposto, e nada mais,
e para mim é gente triste muitas vezes,
gente afobada, estremunhados sonâmbulos
tacteando no escuro.

Walt Whitman

4 comentários:

Fernando Samuel disse...

Que grande cavalgadura!...


Um beijo.

trepadeira disse...

É o do negóciozinho.Não podia ser outro.
Este regime gera sempre monstros assim.
Cordial abraço,
mário

Mar Arável disse...

Boa malha

Bj

smvasconcelos disse...

Fernando Samuel: ... por vezes, caem do cavalo... Um beijo.

Mário: Este regime além de os gerar, "alimenta-os", encobre-os e impuniza-os perante o despotismo que exercem sobre os seus colaboradores, expresso em insultos, falhas de salários, berros, empurrões e outras explorações e esclavagismos. beijo.

Mar Arável: Whitman sabia "malhar" bem e justamente em vermes sociais..:) beijo