06/03/10

Ao Partido

Um poema de José Salsorte:

Pelos homens humilhados
oprimidos e explorados
nos quatro cantos do mundo
pela bandeira insubmissa
cor de um sagrado castigo
pelos que jazem no fundo
dos abismos da justiça
mas tombam de rosto erguido
existes tu, meu Partido!


Pelos mártires duma ordem
extintos nos sangues que escorrem
dos quatro cornos da guerra
e por todos quanto gemem
a um deus ensurdecido
para os sem lar e sem terra
pelas crianças que tremem
de fome e frio consentido
existes tu, meu Partido!


Pelas mulheres que se enfeitam
das mágoas com quem se deitam
nos quatro quartos de amantes
pelas mães que geram filhos
sem vislumbres de certezas
contra as causas repugnantes
que vomitam dos gatilhos
suas vinganças sem sentidos
existes tu, meu Partido!


Pelos que o mar hajam visto
em torturas anticristo
pelo Amor amplitude
das uniões operárias
pelo punho prometido
à Paz e à Juventude
Pelas Reformas Agrárias
de outro povo conseguido
existes tu, meu Partido!


Pela Revolução que os puna
pelo Hino da Comuna
pelo progresso da História
pela Pátria Universal
pelo homem pretendido
pelo dia da vitória
pela Internacional
pelo pão retribuído
existes tu, meu Partido


existes tu
meu Partido!


Sto. António Caparica, Maio 1964

2 comentários:

fernando samuel disse...

Obrigado por me dares a conhecer este belo poema.

Um beijo.

smvasconcelos disse...

Fernando Samuel: eu também gosto muito.:) beijo,