13/09/10

Eu sei, não te conheço mas existes


Eu sei, não te conheço mas existes.
por isso os deuses não existem,
a solidão não existe
e apenas me dói a tua ausência
como uma fogueira
ou um grito.

(...)

Eu sei, não digas, deixa-me inventar-te.
ao é um sonho, juro, são apenas as minhas mãos
sobre a tua nudez
como uma sombra no deserto.
É apenas este rio que me percorre há muito e desagua em ti,
Porque tu és o mar que acolhe os meus destroços.
É apenas uma tristeza inadiável, uma outra maneira de habitares
Em todas as palavras do meu canto.

Tenho construído o teu nome com todas as coisas.
tenho feito amor de muitas maneiras,
docemente,
lentamente
desesperadamente
à tua procura, sempre á tua procura
até me dar conta que estás em mim,
que em mim devo procurar-te,
e tu apenas existes porque eu existo
e eu não estou só contigo
mas é contigo que eu quero ficar só
porque é a ti,
a ti que eu amo.

Joaquim Pessoa

4 comentários:

Fernando Samuel disse...

Belíssimo!


Um beijo.

Armando Sena disse...

Brutal. E eu, ignorante mor, não sei quem é Joaquim Pessoa.

Mar Arável disse...

Boa escolha

Bj

smvasconcelos disse...

Fernando Samuel: É mesmo!:)) Não me canso de o (re) ler.
beijo,

Armando: Não digas isso, sabes tantas coisas que eu também não sei. Joaquim pessoa é um (GRANDE!) poeta português (do Barreiro acho eu) nascido nos anos 40 (ou 50?). Tem uma obra vasta e belíssima. Se puderes, procura conehcê-lo. Vale a pena.
Um beijo,

Mar Arável: :)
beijo,