20/02/10

Desolação

Imaginem o irromper de lágrimas em intempérie por uma sucessão de perdas humanas em redor... outras quantas em estado grave, outras ainda desaparecidas e fala-se em pessoas soterradas.
As notícias veiculam horrores provocados pelas águas, falam de danos materiais em números que nem quero saber, em pontes que desabaram, em casas fustigadas, em desalojados... mas os 32 mortos, até agora confirmados, é que desencadeiam toda esta bruma que desagua no mais ínfimo de mim.
Isto dói, dói muito...

E ainda eu não sei se algum dos meus foi atingido por este horror, pois há mais de doze horas que não consigo falar seja com quem for no Funchal.

Não há palavras para a dor deste silêncio. :(

2 comentários:

Armando Sena disse...

Imensamente triste. Estamos todos convosco...

smvasconcelos disse...

Armando: obrigada meu amigo.Os relatos que me chegam são devastadores, ainda tenho familiares isolados,sem água e sem comida... mas vivos e bem, dentro do possível. Os ilhéus estão habituados a reeguer-se... beijo,