07/08/11

Estou triste e dói-me


Estou triste e dói-me
o coração tão fundo
que o grito coagula na garganta
...e não circula
mais.

Quando o punhal se crava
na grossa veia cava
e não retira
mortal a ferida sangra
e não para fora.

Agora é tanta
a dor que se não chora
que decanta
na ruga em vão do riso
um limo de soluços mineral.

Carlos Aboim Inglez

6 comentários:

trepadeira disse...

Por vezes faz falta essa raiva que nos obriga a caminhar em frente.

Um abraço,
mário

Armando Sena disse...

Então agora chegou a vez da alegria. O próximo post será um poema igualmente belo, mas muito mais positivo. Ok?
Bjs

Mar Arável disse...

Saudades

svasconcelos disse...

Mário: de acordo. A raiva dá-nos força e faz-nos avançar... beijo,

Armando: é um poema de facto tocante, este, não é? Não resisti a postá-lo... Há sempre um poema à espreita para ser "postado" :)) beijo,

Mar Arável: :) beijo,

Paula disse...

Quando a dor e tristeza nos calam há que ir às entranhas, mergulhar bem fundo dentro de nós em busca da força e da coragem para lutar e avançar.

svasconcelos disse...

Paula: tasmbém acho que não há outro caminho, senão lutar, resistir e continuar o caminho. beijo,