20/06/10

Um poema de Saramago na voz de Manuel Freire

4 comentários:

Fernando Samuel disse...

Lindo!

Um beijo.

César Ramos disse...

Porquê só nos blogues estas coisas acontecem? Quem tem medo de ouvir canções de liberdade?
Obrigado pela apresentação deste trabalho...
Quase que não queria agradecer, porque é obrigatório não calar a voz destes poemas...!
Mas vai um abraço.
César

Armando Sena disse...

Bem, hoje ganhamos 7-0, é dia de consenso. Morreu o homem, fica para sempre o escritor.

smvasconcelos disse...

Fernando Samuel: é sim!:)) Um beijo!

César Ramos: ... e esta é tão bonita, não é? Na voz do Manuel Freire a poesia é ainda mais bonita! bjs,

Armando:imortal é tanto o escritor como o homem, enquanto houver alguém que perdure a memória da sua ideologia, lutas, etc
Ai a goleada lusitana... eu gostei de saber, confesso.:)) beijos